A mudança do espaço experiencial da Terra

Deixe um comentário

(Mensagem de 15 de Agosto de 2021)

“O que torna este período (1950-2070 aproximadamente) especial é que há dois ciclos diferentes de consciência chegando ao fim: um ciclo pessoal (ou um conjunto de ciclos pessoais) e um ciclo planetário. A conclusão desses ciclos coincide, de modo que um reforça o outro. – Pamela Kribbe

Prefácio

Quando pensamos na Terra, podemos ver um lindo planeta azul flutuando no espaço: uma esfera de matéria orbitando a estrela que chamamos de Sol. Uma bela imagem, mas também uma visão da Terra do ponto de vista materialista.

Na realidade, a Terra é muito mais complexa do que isso. É um sistema multidimensional que permite aos seus habitantes uma ampla gama de experiências: existem neste sistema realidades paralelas, interações dinâmicas entre passado e futuro. E, acima de tudo, podemos descobrir a nós mesmos, nosso infinito interior.

Nós, como humanos, não temos um passado, uma linha do tempo à qual estamos vinculados. É melhor nos comparar a uma árvore que tem muitas raízes: no presente, onde estamos, muitas linhas do tempo convergem. O sistema multidimensional que é a Terra torna essa riqueza de diversidade possível.

Aqui podemos experimentar unidade, paz, beleza e amor. Também ódio, violência, raiva e desonra. O sistema Terra dá espaço para experimentar a dualidade ao máximo; e ainda assim somos constantemente lembrados da unidade que nos une a todos. Depois de uma noite escura e cheia de medo, ainda podemos desfrutar de um lindo nascer do sol. Cada flor aqui nos lembra das realidades superiores.

As pessoas aqui são capazes de criar belas músicas, mas também de iniciar guerras inúteis. A energia especial da Terra nos dá o espaço para realizar ambas as possibilidades. É esta propriedade especial da Terra que torna a experiência de ser humano totalmente possível.

Que a Terra agora está iniciando um novo ciclo nos faz perguntar: “O que isso significa para nós, seus residentes?”

Um novo ciclo: uma energia superior

Quando um ser humano ou outro ser começa um novo ciclo, e, portanto, completou um velho ciclo, surge uma vibração mais elevada. Uma vibração mais elevada significa que a consciência está se aproximando da fonte e tem uma experiência mais forte de beleza, verdade e unidade de vida.

A Terra está em um novo ciclo. Isso muda o espaço experiencial que a Terra oferece à humanidade para cima. No topo, as experiências de unidade cósmica e a conexão com reinos mais elevados se tornam mais possíveis do que nunca. No fundo, as experiências dualísticas extremas estão se tornando cada vez menos possíveis. Eventos como iniciar uma guerra cruel e sem sentido não são mais possíveis.

Pela média da experiência da pessoa, isso significa que estamos chegando a um ponto de inflexão.

No momento, neste mundo, geralmente experimentamos divisão. É apenas quando meditamos ou estamos na natureza que experimentamos uma sensação de unidade. A experiência da divisão é primária, a experiência da unidade secundária. Isso vai mudar: a consciência da unidade se tornará primária.

Isso tem uma série de consequências, das quais gostaria de mencionar algumas.

Ciência

A ciência hoje pensa a partir do paradigma da divisão. Tudo consiste em partículas que consistem em partículas ainda menores. A busca por partículas ainda menores parece interminável. Visto dessa maneira, um ser humano é uma coleção de partículas; se essas partículas se desfazem, a pessoa não existe mais. Segundo a ciência, reina a morte: afinal, tudo acaba desmoronando. No futuro, não serão as partes, mas a unidade que será a base evidente. A visão mecânica do universo e do homem abre caminho para uma visão holística; a ideia de unidade então se torna o novo paradigma. A partir dessa ideia a ciência começará a aceitar que há consciência por trás de tudo: os conceitos de consciência e unidade irão então coincidir. E a morte eterna dá lugar à vida eterna.

Psicologia

A ideia de unidade levará na psicologia ao reconhecimento da existência da alma. Isso será visto como uma fonte de cura e verdade. A cura de problemas psicológicos coincidirá com a consciência da alma.

Política

Visto que a unidade de tudo é tida como certa, isso também tem consequências para o sistema político. Países e fronteiras desaparecerão gradualmente, e com eles guerras. Eventualmente, haverá um governo mundial.

Economia

O senso de divisão que permeia o pensamento humano criou uma economia baseada na competição e na exploração de outros seres humanos e da própria Terra. Se olharmos para o sistema econômico atual à distância e o virmos como parte do ecossistema da Terra, vemos que ele se comporta como um tumor cancerígeno em relação a esse ecossistema. Visa o crescimento e consumo excessivos de todos os recursos disponíveis: tirar sem dar nada em troca. Este sistema econômico não será mais capaz de existir no futuro; a vibração mais elevada da nova Terra não oferece mais possibilidades para isso. A economia do futuro é uma interação harmoniosa entre os humanos e a Terra. O homem recebe da Terra e dá à Terra. Há respeito mútuo e cooperação. Esta economia é baseada na gratidão e na conexão. O homem é grato à Terra por poder ficar aqui e experimentar coisas maravilhosas, e a Terra é grata ao homem, porque a singularidade do homem a enriquece. O homem não apenas compreende, mas também experimenta que a Terra é um ser vivo consciente. Isso dá uma sensação de conexão que acabará se desenvolvendo em um profundo vínculo de amor. E em um futuro ainda distante, a humanidade acabará deixando a Terra profundamente grata.

Sociedade

Nossa sociedade atual ainda é essencialmente uma máquina organizada hierarquicamente. Formação, educação, essencialmente ainda significa que as pessoas estão sendo preparadas para se tornarem uma engrenagem dessa máquina. Quanto mais importante for essa engrenagem, mais bem-sucedida será essa pessoa em nossa sociedade. É claro que isso vai mudar. A sociedade do futuro não é hierarquicamente ordenada, mas visa o desabrochar da alma humana aqui na Terra. O resultado é felicidade. Felicidade para o próprio homem, que pode deixar brilhar a luz de sua alma, e felicidade para seus semelhantes, que podem desfrutar do belo esplendor único de um anjo encarnado; e ao mesmo tempo felicidade para a própria Terra, que vê uma pessoa – e a humanidade – desabrochar como uma bela flor celestial.

O cosmos

A crença na divisão e dualidade não só resulta na solidão do homem moderno, mas também faz com que a humanidade como um todo seja isolada no cosmos. Isso vai mudar. Estamos no limiar de uma era nova e incrivelmente rica. Uma era em que entraremos em contato com muitas outras civilizações do cosmos. O aumento da vibração da Terra significa que no topo do espaço experiencial, todos os tipos de portas se abrirão para outros mundos: espaços experienciais de outros habitantes deste cosmos. Isso nos fará perceber profundamente como o universo é infinitamente rico e vasto. Não é apenas infinito em tamanho, mas também em riqueza, variedade e beleza.

As questões acima são, obviamente, desenvolvimentos globais. O que eles significam para o indivíduo?

Consequências psicológicas para o indivíduo

É claro que é bom que, como pessoa, você cresça junto com as mudanças pelas quais a Terra está passando. Mas isso não é uma certeza. Para as pessoas que estão presas na dualidade, isso é até impossível porque elas são incapazes de abandonar a crença na dualidade. Se eles não puderem mais experimentar essa dualidade na Terra, eles procurarão outros reinos de experiência no universo onde puderem e deixarão a Terra.

É claro que também existem pessoas que acompanharão sem esforço o processo de crescimento da Terra. Essas são pessoas que completaram seu ciclo pessoal e estão prontas para abraçar a consciência de unidade. Eles agora estão empenhados em integrar amorosamente todas as suas vidas passadas e entendem que as vidas dos agressores também fazem parte disso. É por isso que eles dizem “sim” para sua própria sombra e não a projetam mais nos outros. É assim que a dualidade acaba para eles: não há mais inimigos, não há conspirações. Dessa consciência surge um profundo senso de conexão com todos.

Muitas pessoas estão entre os dois grupos. O que eles vão experimentar agora com a mudança da Terra? Não estou me referindo a eventos concretos, mas ao processo psicológico que ocorrerá.

A dualidade surge quando pensamos a partir do medo. Frequentemente, esse é o medo de nossos semelhantes. Por exemplo, temos medo de que outras pessoas, talvez pessoas com aparência diferente ou que falem uma língua diferente, queiram nos dominar. Para evitar isso, precisamos de um exército. E quando temos um exército, aqueles outros que tememos também devem ter. De preferência, um exército ainda maior: o início de uma corrida armamentista. Mais cedo ou mais tarde, uma guerra começará, muitas vezes “preventiva”: afinal, é melhor atacarmos primeiro antes que outra pessoa o faça, porque não se pode confiar nela.

Enquanto não enfrentarmos nossos próprios medos, nossa própria sombra, nada mudará; então ficamos presos nesta consciência de dualidade. O medo sempre divide o mundo em dois: nós contra eles, ou o que tememos. O amor transcende isso e torna tudo um de novo: conecta-se com o outro e conecta-se com a realidade.

Agora mesmo, como a Terra está em uma mudança, isso tem consequências para as pessoas que ainda estão na dualidade. O espaço para experimentar a dualidade está diminuindo e acabará desaparecendo. Como esse espaço agora está diminuindo, as pessoas que acreditam fortemente na dualidade estão cada vez mais presas em uma bolha. Antes, seus inimigos imaginários estavam distantes e muitas vezes um tanto abstratos, agora eles estão se aproximando. Agora eles são membros da família, amigos e vizinhos: são vistos como enganados e, portanto, não merecem mais confiança.

Claro, o apoio é então procurado de pessoas com ideias semelhantes. No entanto, eles não encontram amor e amizade com eles, apenas mais dualidade, o que apenas amplifica o medo e a paranoia. A bolha fica ainda mais separada da luz.

É importante para quem está de fora perceber que alguém que vive em tal bolha, por mais impossível e hostil que possa se comportar, está essencialmente sofrendo e infeliz.

A essência da psicologia da bolha é esta: conforme a bolha encolhe, o pensamento dualista aumenta e se torna totalmente paranoico. O sofrimento também aumenta. As pessoas que vivem em tal bolha tornam essa bolha muito grande e importante, porque quanto menor a bolha parece, mais importante elas se veem.

Esse sofrimento eventualmente se torna tão grande que a bolha é abandonada. Isso pode acontecer quando as pessoas dentro da bolha experimentam que as pessoas fora da bolha não parecem mais ser más ou erradas. A humanidade, amor, então vence a paranoia. Outra possibilidade: a vida está de alguma forma abandonada. Em qualquer caso, a bolha desaparece do sistema terrestre, para nunca mais voltar.

A Terra está, portanto, reduzindo as áreas de experiência nas quais a dualidade pode ser experimentada neste momento. Tornam-se, cada vez mais, pequenas bolhas escuras que finalmente estouram como bolhas de sabão. A consciência na bolha então escolhe o amor ou deixa o sistema terrestre.

No final das contas, quando todas essas bolhas desaparecerem e a humanidade como um todo abraçar a consciência de unidade, a nova Terra se tornou uma realidade.

E quanto ao mal?

A base da crença na dualidade é a existência do mal. Isso é o que a dualidade no final é: bem contra o mal. Quando você diz que tudo é um, pode negar a existência do mal. Afinal, um é bom. E o fato de que existe o mal é, obviamente, difícil de digerir. No entanto, se tudo é um, isso não significa uma negação do mal, mas uma negação do mal fora de nós. Na verdade, tudo é um meio: tudo está em nós.

Quando tudo é um, tudo está em mim e, portanto, o mal também está em mim. Dizer que tudo é um não é, portanto, uma negação do mal, mas um convite a enfrentar o mal dentro de nós – nossa sombra – e assumir a responsabilidade por ele: não mais colocá-lo fora de nós. Olhe para o culpado em você e o ame. Encontramos paz interior permitindo que os perpetradores e vítimas em nós mesmos se encontrem no espaço de amor que somos.

E este é o espaço que a nova Terra está nos oferecendo. Esta é a diferença entre um humano e um anjo. O homem da nova Terra é um anjo que experimentou e foi mal. Ele, portanto, tem uma compreensão profunda e um amor profundo por todos os que ainda estão lutando e sofrendo na dualidade.

Não tenha medo de se tornar aquele anjo encarnado: olhe para sua sombra e diga ‘sim’ a ela.

A nova Terra espera.

Gerrit Gielen – Fonte: https://higherdensity.wordpress.com/
Renata Pecora Fortunato e Marco Iorio Júnior — Tradutora e Editor exclusivos do Trabalhadores da Luz

adavai@me.comwww.adavai.wordpress.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.