SOBRE A LEMÚRIA E O MONTE SHASTA

Deixe um comentário

7/8/21

Lemúria foi o berço de uma civilização iluminada neste planeta. Foi um período em que a perfeição, a abundância e a beleza eram encontradas em toda parte da Terra. Esse paraíso magnífico existiu durante milhões de anos até a queda na consciência, na quarta Era Dourada. A Lemúria foi a “Terra-mãe” que ajudou no eventual nascimento de muitas outras civilizações.

A maior parte do gigantesco continente da Lemúria jaz agora sob o Oceano Pacífico. A costa oriental se estendia até a Califórnia e parte da Colúmbia Britânica, no Canadá, enquanto a fronteira oeste abrangia algumas terras no Oceano Índico e Madagascar. As ilhas do Havaí, ilhas da Páscoa, as ilhas Fiji, Austrália e Nova Zelândia são remanescentes visíveis desse maravilhoso continente perdido.

Com a queda, veio o gradativo rebaixamento vibratório da consciência da maravilhosa raça lemuriana e de todos os outros que viviam no planeta. A densidade do nível da terceira dimensão trouxe divergências de ideologias, guerras e devastações que podemos imaginar facilmente.

Pouco antes da destruição do continente, os lemurianos utilizaram o seu conhecimento e domínio sobre a energia, os cristais, os sons e as vibrações para construir uma enorme cidade subterrânea em que sua cultura e os registros da história da Terra antiga fossem preservados. Eles utilizaram uma grande caverna em cúpula, que existia dentro do Monte Shasta, para erigir sua nova cidade, a que deram o nome de TELOS: “Comunicação com o Espírito”.

Hoje, nossos irmãos e irmãs lemurianos recuperaram completamente o seu nível de luz e consciência pentadimensonais. Recriaram com sucesso um paraíso repleto de magia e maravilhas onde reinam a paz e a harmonia. Os aproximadamente um milhão e meio de habitantes dessa maravilhosa cidade prosperam nessa total liberdade de interferência de qualquer natureza. Considera-se Telos a sede do processo de Ascensão do planeta.

Do website da Telos Worldwide Foundation:

https://www.telosinfo.org/site/index.php?menu=4

Tradução de Ivete Brito – adavai@me.comwww.adavai.wordpress.com