A FLOR INTERIOR

Deixe um comentário

(Mensagem de Jeshua, canalizada por Pamela Kribbe, em junho de 2019)
Fonte: http://www.jeshua.net/mornings/mornings26.htm

Queridos amigos,

Eu sou Jeshua. Saúdo todos vocês hoje e convido cada um a se colocar na luz do auto-reconhecimento, mesmo que lhe esteja sendo difícil ser um humano na Terra. Nunca se esqueça quem você realmente é. Você é uma centelha de luz, que faz parte de Deus; existir é direito seu. Você não precisa ser nada além do que é, porque você é puro, natural e bom.

Quando se opõe ao que está ocorrendo no seu interior, você está se opondo à sua própria humanidade, e faz isto devido a um julgamento externo que aplica a si mesmo. Sinta a energia desse julgamento – a energia da autocrítica. Sinta a frieza, a dureza e a falta de compaixão desse julgamento: “Fiz errado; não sou bom nisso. Estou falhando e muito aquém das expectativas.” Sinta, por um instante, como esse julgamento severo o separa do amor e abundância que existem no universo. Esse amor e abundância estão disponíveis a você sempre, portanto, conecte-se com eles. 

Você realmente pensa que Deus se importa se você faz ou não sucesso no mundo, ou se tudo está perfeito na sua vida, ou se você está fazendo as coisas “certas”, de acordo com determinadas regras e padrões sociais? Deus só olha para o que está dentro de você; e aí Ele enxerga uma flor ainda em botão. Em algumas pessoas, o botão ainda está bem fechado, apenas no estágio inicial; enquanto em outras, a flor já está no processo de abertura ou até desabrochando radiantemente. 

Há momentos em que você não percebe que está carregando essas capacidades “florescentes” dentro de si; enquanto em outros, você se concentra apenas nas flores que ainda estão fechadas, ou que estão com dificuldade para se abrirem. Mas Deus acha todas as flores bonitas – sejam elas ainda botões, ou começando a desabrochar, ou totalmente desabrochadas – e inclusive as flores que estão morrendo, que soltam suas pétalas para dar espaço a novos botões. Deus não tem nenhum julgamento sobre o que está florescendo dentro de você. 

Portanto, olhe agora para si desse mesmo modo pacífico e receptivo. Olhe para o interior do seu coração, pois lá, inclusive existe uma flor. Ela é o seu adorno mais belo. Ela é quem você é agora, e o que você tem para doar ao mundo – é a sua essência. Permita que essa flor apareça na sua imaginação, e observe sua forma e cor. O estágio em que ela está não importa, observe apenas o que aparece naturalmente. Observe com atenção e abertura, e tente determinar o que essa flor precisa para se desenvolver para o estágio seguinte. Talvez ela precise de nutrientes ou de água para crescer. Ou talvez, tenha chegado ao final do seu desabrochar, e deseje que você a libere para dar lugar a algo novo.  

Veja o estágio de desenvolvimento da flor da sua alma. E perceba, em si mesmo, aquilo que é mais do que a flor, porque há algo em você que é o observador dessa flor… você está ciente disto. Então pergunte: “Quem é esse observador? Quem é esse fluxo tranquilo e silencioso de percepção aberta e aceitação?” Há vida e amor nesse fluxo, uma abertura total e nenhum julgamento. 

Esse fluxo garante que essa flor tenha tudo que necessite, que vivencie força e vitalidade. Ao mesmo tempo, ele é o observador dentro de você, não alguém que empurra ou insiste, ou que deseja forçar as coisas. Este fluxo, em sua abertura e aceitação, permite que tudo seja como naturalmente é. Portanto, permita que ele circule por todo o seu corpo por um momento. Ele é a sua origem; é o próprio Deus que assume a alegre dança com a matéria e, assim, cria flores porque elas são belas e radiantes, e dão alegria àqueles que as observam. 

Permita que tudo o que você precisa saber venha a você, de modo que sua flor possa se ancorar na Terra. Permita que sua flor venha à sua imaginação em liberdade e descontração, de modo que possa brilhar neste mundo terreno. Você é Deus encarnado, aquele que assumiu uma forma humana. Você é bom e completo em si mesmo. Mas, ao se conectar com a dimensão terrena, onde reinam o medo e o julgamento, esse conhecimento às vezes é obscurecido. No entanto, esse conhecimento pode ajudá-lo a conectar-se novamente com essa flor no seu coração, e inclusive, com o suave fluxo de consciência que a percebe. 

Neste mundo, é realmente difícil lembrar-se disto. Graças aos julgamentos, medos e emoções negativas que geralmente reinam aqui, você pode perder de vista o conhecimento de quem você é. Pode ter a sensação de que essa flor no seu coração foi pisoteada, e acaba não sabendo mais quem você é. 

Quando perde a conexão com esta essência em você, a vida se torna um fardo. Você se sente hesitante e vacila, porque está tentando viver de acordo com regras, ideias e expectativas dos outros. Mas esta tentativa está fadada ao fracasso, porque nisso você não encontra nenhuma inspiração, nenhuma alegria verdadeira, nenhum solo firme sob seus pés. 

O poder que você encontra ao viver a partir do seu coração reside na sua conexão com essa flor interior… a energia da sua alma que é única e tem algo distinto para trazer à Terra. Respeite isto sempre. Quando sentir que a força e vitalidade desta flor estão sob a pressão de energias negativas ao seu redor, ou de dentro de você mesmo, volte-se para aquela consciência delicada, observadora, e, a partir deste ponto de vista, simplesmente observe como você reage a essas energias negativas. Veja o que acontece dentro de si, nos momentos em que a ansiedade o domina, quando você julga e crítica a si mesmo, quando se avalia de acordo com padrões externos. Veja o que acontece e simplesmente observe-o e fique atento. 

Algumas pessoas têm medo de se tornarem a voz de seus próprios corações, pois temem ser rejeitadas; temem que sua preciosa flor seja pisoteada e destruída – mas isto é um engano. Você pode sentir essa negatividade ocorrendo, quando se sente rejeitado ou atacado pelas reações dos outros, mas, no final, é apenas o seu próprio julgamento que o afeta. 

Você concorda com as opiniões alheias, ou consegue continuar percebendo a beleza, a preciosidade e a inocência da sua própria flor? O verdadeiro poder interior está em manter-se fiel a si mesmo, continuar acreditando na sua própria inocência, pureza e beleza, e manter-se neste mundo sendo quem você é. É disto que este mundo precisa: que você ouse trazer algo de novo e não se conforme com padrões e julgamentos existentes que se baseiam no medo.

Ninguém pode realmente prejudicar a flor em seu coração, porque ela é sua e só sua. Apenas a sua própria crença nos julgamentos dos outros, nos medos dos quais você está sendo convencido, pode afetar essa flor, mas, mesmo assim, só aparentemente. 

Faça a conexão com a testemunha que está sempre presente, e olhe para a flor dentro de si. Pode ser que haja momentos em que ela se enfraqueça, ou não receba nutrição suficiente da sua consciência (sua própria fé em si mesmo). Mas essa flor está basicamente enraizada no fluxo da própria Divindade, que é eterno e incorruptível, e sempre dá origem a novas flores. 

Ás vezes pode ser que haja uma nova flor desabrochando em seu coração, uma flor de forma e cor diferentes, e que seja mais poderosa. Olhe novamente dentro do seu coração e imagine que você vê a flor que é você quando está se colocando no mundo de maneira aberta e dinâmica. Veja essa flor quando você está cheio de confiança e entregue ao seu ser verdadeiro, ao propósito da sua própria alma, sem nenhum medo do mundo exterior – confiando plenamente e em contato com sua própria divindade. Como é essa flor agora? E quão livre você se sente então? O começo de uma nova era na Terra ocorre quando pessoas como você ousam fazer isso. 

O passo inicial é voltar-se para dentro de si e sentir a energia do seu próprio coração e as aspirações que lhe trazem alegria e inspiração. Isto aproxima-o do seu coração, de quem você é, e daquilo que você veio fazer aqui. Fazer esta conexão, embora indo contra a corrente, às vezes é o primeiro passo para a redescoberta de si mesmo; é a volta ao Lar do seu Eu Verdadeiro. 

O passo seguinte é pegar essa energia de leveza e alegria, de desejo, inspiração e paixão, e ousar leva-la para o mundo. Não apenas vivenciá-la em si mesmo, mas ousar irradiá-la externamente em tudo o que você diz e faz, nas suas relações com os outros e no trabalho que você realiza na sociedade. De todas as maneiras possíveis, você não mais a retém: você ousa irradiar quem você é – você realmente ousa incorporar sua divindade aqui. 

Ao agir assim, você vivencia uma forte confrontação com os medos dos outros e, inclusive, com seus próprios medos internos, porque no momento em que dá um passo para o exterior e deixa a energia da sua alma fluir livremente, você assume um risco – pelo menos esta tem sido sua experiência. Mas, no final, é muito mais arriscado retê-la, porque isto o isola da realidade e o torna infeliz. 

Entretanto, dar esse passo para o exterior realmente traz à tona muitos medos… medo de ser diferente, medo de não concordar com o status quo, medo de ser notável ao seguir seu conhecimento interior. Todos estes medos podem alcançar um poder quase insustentável sobre você como ser humano, mas digo-lhe que sair de dentro de si é a direção a ser tomada. 

A saída leva-o às profundezas do seu ser. Ao observar em si onde você reage à ansiedade que é alimentada por situações externas, você se conecta com o que está escuro no seu interior – com a sombra que ainda não se encontra na luz – e assim, contribui para o desabrochar da sua flor interior. É justamente dando esse mergulho, seguindo seu coração e se expressando no mundo externo, que você se torna profundamente conectado consigo mesmo e com o que ainda não ousa se expor devido ao medo. 

A intenção do caminho interior é que você olhe para todas as partes de si mesmo, compreenda todas elas e faça sua luz brilhar sobre todas elas para que se torne completo e seus medos comecem a se dissolver lentamente. Na verdade, isso é bem simples. Ao começar a ir para o mundo com sua própria inspiração, você pode receber um “sim” ou um “não”; você pode encontrar aceitação acolhedora ou forte resistência..  

Se receber um “sim”, você sente que sua energia flui e se torna mais aterrada; percebe que você realmente incorpora sua inspiração, a energia de sua alma. E isto muitas vezes lhe traz abundância no sentido amplo da palavra: alegria, criatividade e também abundância material onde for preciso. É uma corrente de “sim” que também toca e inspira os outros.

Mas também é possível que, em algumas situações, você encontre um “não” de outros seres humanos, e esse “não” pode estar cheio de ansiedade, preconceito ou resistência, mas isto realmente não importa. O que interessa é que você perceba o que essa reação lhe traz. Ela o faz vacilar? Ela o afeta profundamente? Você tem dificuldade para se manter fiel a si mesmo, ao seu coração, quando encontra resistência? 

Estes são os desafios mais fortes com os quais você, como ser humano, se depara. É uma arte ser capaz de receber um “não”, uma recusa, e depois dizer “sim” a ela; aceitar-se com suas incertezas, seus sentimentos de inferioridade e dizer: “Vejo onde eu duvido de mim mesmo, e sei que isto é permitido”. O desafio é responder ao “não” com um “sim”.

É preciso ajudar a si mesmo a dizer “sim”, envolvendo esses sentimentos de incerteza e insegurança com aceitação e compreensão. Você não precisa resolver esses sentimentos, mas apenas senti-los e observá-los. Sua conscientização desses sentimentos é a cura, porque sua consciência é Divina. Você não precisa intervir; só precisa dizer “sim”. Uma vez que diga “sim” para seus próprios medos e sentimentos sombrios, tudo se torna mais leve, dentro de si e ao seu redor, e você se torna mais poderoso. 

Você perceberá, cada vez mais, que os julgamentos que recebe dos outros muito provavelmente estão enraizados nos medos e incertezas deles mesmos, e que não têm muito a ver com você. Portanto, você pode deixá-los onde eles se originam, ou seja, com a outra pessoa. E este processo vai leva-lo mais profundamente para dentro de si mesmo. O fato de ir para fora e deixar sua luz brilhar no mundo leva-o imediatamente para o mais profundo de si mesmo. 

Na verdade, neste sentido, não existe algo externo e interno – tudo é um caminho para dentro. Quanto mais você ousar permitir que sua luz se irradie para o que você chama de “exterior”, mais se defrontará com seus medos e inseguranças, e isto lhe dará a força para mergulhar cada vez mais profundamente em seu interior, de modo que sua luz possa iluminá-lo completamente. 

As duas correntes – a que vai para dentro e a que vai para fora – são, na verdade e essencialmente, conectadas entre si. Minha mensagem de hoje é a seguinte: ouse ser quem você é, e não tenha medo de nenhuma resistência em forma de “não” que você receber. Esse “não” é apenas um passo em seu caminho interior, e poderá ajudá-lo a tornar-se ainda mais poderoso. 

Você acabará vivenciando o “sim”, a aceitação de fora, porque sua energia é mais do que bem-vinda na Terra. Ela é necessária para as pessoas que vivem de acordo com seus corações, de uma forma honesta, espontânea e autêntica. Sua energia é bem-vinda aqui, e eu o encorajo a continuar acreditando nela – aconteça o que acontecer. 

Muito obrigado!

Jeshua

© Pamela Kribbe 
www.jeshua.net

Tradução de Vera Corrêa veracorrea46@gmail.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.