ANO NOVO – 01/01/19

Deixe um comentário

(SABEDORIA DOS ANJOS, canalizada por Sharon Taphorn)

Empoderamento, perseverança e crescimento

Ao entrar em um novo ano e um novo ciclo, você descobrirá que seus sentidos mudaram e você verá o mundo sob uma nova luz. Aqueles que estiveram aprendendo a permitir e seguir seu coração sentir-se-ão mais sintonizados do que nunca, e assim continuarão a confiar e seguir os sinais.

Para outros, estes tempos sinalizam um despertar para um novo modo de ser, caso você escolha dar um passo adiante nesse caminho. Desejamos lembrá-lo de manter a mente aberta e saiba que existem muitos caminhos para o topo da montanha e cada um de vocês estará no caminho que melhor lhe convier.

Pensamento para hoje: Iluminação, crescimento e compreensão estão se expandindo. Conforme você domina suas habilidades, você encontrará verdades reveladas, sentidos se expandindo e uma consciência mais profunda do que é.

E assim é

Você é muito amado e apoiado, sempre
Os Anjos e Guias
Por favor, respeite os créditos ao compartilhar
Thank you, Mahalo, Merci, Gracias, Vielen Dank, Grazie, Спасибо, Obrigado, 谢谢, Dank, 謝謝, Chokran,Děkuji
http://www. playingwiththeuniverse.com/
Tradução: Regina Drumond – reginamadrumond@yahoo.com.br

Anúncios

CURVE-SE INTIMAMENTE PARA SI MESMO – 31/12/18

Deixe um comentário

Mensagem de Jeshua (Jesus) canalizada por Pamela Kribbe
Fonte: www.jeshua.net/por

Queridos amigos, belos filhos da humanidade

Eu sou Jeshua, seu irmão e amigo. Estou com vocês e seguro suas mãos. Eu também percorri a senda onde vocês se encontram e conheci as profundezas do desespero, da tristeza intensa e saudades do Lar. Conheço vocês internamente, porque são meus entes queridos, minha família. Eu os acolho aqui e agora.

Vocês são os portadores de um comando sagrado: espalhar, aqui na Terra, a luz do Céu e o sentimento de amor do Lar. Em primeiro lugar, para si mesmos, de modo a aliviar sua carga interna através do amor, da ternura e humildade para consigo mesmos.

Peço a cada um de vocês que se curve intimamente para si mesmo, de modo a dar forma, aqui, à luz da sua alma. Você consegue fazer isto? Consegue juntar suas mãos diante do seu próprio coração, na conhecida saudação oriental (Namastê), e curvar-se para si mesmo? E por que lhe peço isto? Por que você não se curva para si mesmo com frequência ou por vontade própria.

Curvar-se para si mesmo significa aceitar-se completamente como você é agora – sendo você mesmo totalmente e desapegando-se de tudo o mais, com uma suave expiração. Ser completo no momento é a verdadeira humildade, mas isto não é tudo. Nessa humildade, na ação de curvar-se a si mesmo, reside a confiança de que existe um ser-semente perfeito dentro de você, que não deseja nada além de se abrir, florescer e crescer. O que alimenta esse ser-semente? O que o faz abrir-se em flor e se desenvolver? O que mais o alimenta são a sua atenção silenciosa, seu apreço e carinho.

Dê um passo para trás e veja-se como o ser grandioso e especial que você é. Internamente, estenda-lhe as mãos com admiração, como se estivesse se aproximando de algo verdadeiramente precioso. Você poderá vê-lo como uma criança ou como a semente de uma planta, ou talvez, como um grupo de cores ou energia. Mas o que você está vendo, de fato, é o ser-alma que você é.

A alma desperta gradativamente através de vastas correntes de tempo e espaço. Da alma fluem diferentes raios de luz, que tocam e visitam a Terra, e estes são as suas encarnações neste planeta. De cada encarnação, a alma toma algumas coisas para si mesma: experiências, conhecimento, sabedoria e, inclusive, dor e incompreensão. E precisa digerir tudo isso. A alma encontra-se em um processo constante de transformação, de crescimento, que se torna cada vez mais exuberante. A semente germina, e o resultado é um milagre, um ser de beleza e esplendor que cresce infinitamente mais grandioso no cosmos.

Ao crescer e florescer, a luz se propaga como uma manifestação única, porque nenhuma alma é igual a outra. Cada alma espalha a luz do universo, a luz de Deus, de forma pessoal. Você está agora em uma das muitas encarnações da sua alma. Você é como um raio de sol conectado à sua alma, e como está conectado com sua alma, também se mantém conectado com outros raios de encarnação da sua alma.

Na encarnação em que você se encontra neste momento, algo especial está em andamento, algo milagroso… a energia da Terra está começando a mudar. As pessoas estão encontrando mais e melhor acesso à realidade interior e às suas almas. O véu – como vocês o chamam – entre o outro lado e a vida cotidiana está se tornando mais fino e transparente. As pessoas estão buscando e tentando encontrar sentido e significado em suas vidas. A própria Terra, e os corpos celestes ao redor dela, mudam com essa busca, e assim se tornam mais permeáveis e acessíveis às vibrações superiores e verdades essenciais.

Você está entre os que desejam absorver tudo isso e trazer para Terra o conhecimento da sua alma e sua conexão com o Uno – aquele que conecta todas as almas. Você tem sede dessa conexão, e esta vida é muito apropriada para isso. A vida na Terra, como um todo, deseja agora avançar em direção a uma vibração diferente e tornar-se radiante no nível da alma, e com a leveza, a harmonia e a inspiração que a acompanham.

Vocês são os receptores, os canais dessa nova energia que está nascendo agora na Terra. Quando cada um de vocês recebe a energia de sua alma, a informação é liberada, e junto com essa liberação muitas vezes surgem velhas cargas emocionais de vidas anteriores – como vocês as chamam – de outras encarnações, outros raios do sol que é a alma. Isto acontece por um motivo. Ao se familiarizar com essas cargas emocionais e conscientemente as redimir e transformar, você traz paz para sua alma. Muitas vezes, você vê a alma como superior à sua pequena personalidade, mas a verdade é que a alma aprende, se desenvolve e começa a florescer através da interação com suas encarnações, com você. Portanto, não subestime o significado da sua vida aqui e agora na Terra. Você faz diferença para a sua alma. Ao viver com abertura e consciência, e curvar-se à realidade de quem você é, você enriquece sua alma no nível mais profundo.

Quero falar agora sobre essas emoções pesadas, sobre a dor e dúvidas profundas, em parte trazidas de outras encarnações, que irrompem em você neste momento e, simultaneamente, surgem em muitas outras pessoas. Este processo não é apenas individual – é também um processo coletivo e tem grande significado, não só para você, mas para toda a consciência coletiva da Terra. E afeta, inclusive, seres não-humanos e a natureza em geral.

Potencialmente, você é um profundo transformador da velha energia, e algumas vezes tem que lidar com violentas cargas emocionais antigas, que o confundem. Com sua mente humana, você não consegue nem sequer imaginar, quanto mais ter uma visão geral apropriada de tudo que deseja libertar-se dentro de você, para ser curado. Camadas muito profundas de velhas dores e saudades do lar estão agora vindo à luz, não somente em você, mas, ao mesmo tempo, em outros com os quais você está conectado. Quer queira ou não, quer compreenda isto ou não, você não é somente a “parteira” de si mesmo, mas simultaneamente, de todo movimento que deseja se revelar neste momento. Para desempenhar esta função de parteira, você precisa possuir o poder da autoconsciência.

Ao mesmo tempo, parte do trauma mais profundo de ser um humano é estar privado da força da autoconsciência, é ter se tornado alienado do seu conhecimento original mais profundo, do seu instinto de sabedoria e verdade. A impotência profunda que reside nas pessoas é o maior obstáculo que elas têm para receber e transmitir a nova energia na Terra. As pessoas se tornaram totalmente desanimadas em sua crença em si mesmas. Sinta este desânimo por um instante.

Sinta, em si mesmo, a “necessidade” de ser nutrido por fontes externas, através de outras pessoas, através do conhecimento e sabedoria de “especialistas”, cujas respostas lhe parecem muito corretas e bem fundamentadas. Esta necessidade também se faz presente nos seus relacionamentos. Quantas vezes você procura reconhecimento fora de si mesmo, pela sensação de lhe ser permitido estar aí? O vazio interno é tão profundo na maioria das pessoas, que elas não se dão conta da busca constante por afirmação de fora. Sinta esse vazio em você – estar consciente disto é um sinal de força.

Imagine que você é um poço onde alguém cai – um vazio solitário, rodeado de paredes cinzentas, sem nenhum meio de conexão, segurança e calor. Quase todo ser humano na Terra tem um vazio interior como esse. Veja essa imagem em si mesmo – você mesmo sendo essa pessoa que cai nesse poço que você é. Observe o desespero nos olhos dela. Veja-a tateando por todos os lados em busca de ajuda externa. Como foi que você acabou se afastando tanto do seu conhecimento interior, da sua coragem e fortaleza internas?

A resposta encontra-se na história da Terra. Houve uma interação entre poder e impotência. Havia, e ainda há, uma força na Terra que não vem da Luz, mas que se alimenta da dor dos outros e se sente crescer através do poder e do controle. Em um nível profundo, todos os seres humanos foram afetados por esse poder que você pode chamar de “ruim” ou “o mal”, no sentido de que é uma força que você rejeita porque ela quer torná-lo pequeno e fraco.

Você pode ver esse poder e essa força ativos, no passado, na política, na religião e em todas as esferas da sociedade. Esse poder – e as exigências, preconceitos e tabus que o acompanham – internalizou-se nas pessoas que absorveram essa energia e começaram a pensar e agir do mesmo modo. Essa força sombria, da qual agora falo, também é uma parte de Deus, por mais contraditório que isto possa parecer. É uma parte que se perdeu, se desconectou e caiu num vazio profundo, onde a luta pelo poder parece ser o único caminho para fora dele. Perceba que cada alma, cada ser vivo, já conheceu, dentro de si mesmo, esta luta pelo poder e, inclusive, exercitou-a. Você já desempenhou os dois papéis – tanto o de ofensor quanto o de vítima. O jogo de sombra e luz faz parte do universo.

Agora é hora de mudar. Um jogo de energias pode criar uma espiral ascendente ou descendente. Em uma espiral ascendente, a escuridão e a negatividade podem se tornar um mecanismo de crescimento e, portanto, ter significado. Mas, em uma espiral descendente, há falta de significado, e o sofrimento e a dor podem lançar uma sombra profunda, que não é mais produtiva e que lança uma mortalha sufocante sobre as pessoas. Isto aconteceu na Terra, mas agora é hora de inverter a espiral e lhe dar um impulso para cima. A Terra pede por isto, porque não pode mais suportar a camada sufocante de negatividade, com sua poluição e asfixia. E a humanidade não pode mais suportá-lo, porque há muito sofrimento. Portanto, do âmago da humanidade, soa o chamado para a mudança, a cura e a virada em direção à luz. Você está entre aqueles que ouviram este chamado em seu ser, por isto é importante que perceba quem você é e com que forças e jogos de poder você está lidando.

Algumas vezes você pensa levianamente demais sobre isso; e outras vezes, com seriedade demais. Você leva isso com muita leviandade quando está impaciente e quer forçar seu próprio caminho para a luz; quer ir mais depressa do que consegue dar conta. Nesses momentos, você não se curva para si mesmo – pelo contrário – você luta contra si mesmo, pensando que as coisas têm que ser diferentes. Nesse caso, não é seu coração que fala, mas é a sua vontade que expressa uma necessidade de controle e poder. É preciso que você se ponha de lado e leve em consideração a extensão dos processos de cura pelos quais você está passando. Só então seu coração pode atingir as profundezas do seu ser e, desta forma, retornar à luz.

Por outro lado, às vezes você vivencia este processo como algo pesado demais; você ameaça sucumbir às suas próprias sensações de sufocamento, de aperto no peito, desespero e solidão aqui na Terra. Esses são momentos em que eu e todos os guias ao seu redor desejamos estar muito perto para apoiá-lo, porque desejamos contar-lhe o quanto você é querido e como você pode estar aberto para a luz. Sua alma está muito próxima. Assim, lhe é solicitado que tenha respeito por tudo o que vive em você, mesmo que muito disso seja pesado; que veja esta vida como uma vida de cura e integração, e que permita que seus processos internos se desenvolvam no ritmo que você precisa para ser capaz de manter-se em equilíbrio.

Perceba como este processo interno é importante. Muitas vezes você olha para o lado externo da vida e vê o tipo de conquistas que algumas pessoas realizam na sociedade, e a forma visível que elas tomam, que é tão importante no seu mundo. Mas muito mais importante é o que está se passando dentro do seu coração, seus sentimentos, sua mente. Então veja se consegue realmente criar espaço dentro de si para essas velhas cargas e energias emocionais – às vezes de vidas muito antigas – que querem vir à luz, aqui e agora.

Você está frequentemente “movendo montanhas”, mas como os resultados não são imediatamente visíveis externamente, você não valoriza o que está fazendo. Honre a si mesmo, veja a grandiosidade do que você está fazendo! Respeite seu processo interno. E quando este se tornar pesado demais, e aquelas velhas cargas emocionais que vêm à tona tornarem-se muito sufocantes, recolha-se no âmago do seu ser. Sinta aquele poder eterno e imperecível, e lembre-se de quem você realmente é. Embora esteja agora aqui na Terra em um corpo de carne e osso, você é essencialmente livre – totalmente livre! Você é um ser de luz livre; você pode estar em todos os lugares ao mesmo tempo.

É possível que, ocasionalmente, você anseie por um mundo diferente e queria conectar-se com os reinos internos de luz, de onde veio. E, de vez em quando, você possa afastar-se deste mundo e enxergar profundamente dentro de si mesmo, que você não pertence a este lugar, no sentido de que não faz parte das energias pesadas que aqui prevalecem. Deste modo, você entra e sai deste mundo. Você participa dele, digere e transforma antigas cargas emocionais dos velhos tempos, mas pode também retirar-se para a luz, para a sua descontração, alegria e liberdade. Perceba como você é uma ponte entre a escuridão e a luz. Este é o verdadeiro sentido de ser humano.

Sinta sua grandiosidade no que você faz. É isto que desejo enfatizar hoje. Você é um professor deste novo tempo; você constrói a ponte. Reconheça a si mesmo!!! Não se esconda atrás de falsa modéstia ou humildade. Mostre sua grandeza! Mostre quem você realmente é. Deixe a luz da sua alma irradiar agora. A cada respiração, você se solta e torna-se ainda mais aberto para a luz da sua alma. Sinta esse sol irradiar.

E agora perceba como tudo se torna luminoso neste lugar porque todos vocês estão reunidos aqui. Esta luz imperecível é o que vocês são. É por isto que os saúdo como irmãos e irmãs; é por isto que acredito em vocês como os pioneiros de um novo tempo na Terra.

Muito obrigado pela sua atenção.

Jeshua

© Pamela Kribbe
www.jeshua.net

Tradução de Vera L C Correa
www.jesnhua.net/por

A MENSAGEM DA LUA CHEIA

Deixe um comentário

A LUZ QUE BRILHA NA ESCURIDÃO – 31/12/18

(Simon & Jennifer)

Vocês removeram camadas daquilo que costumavam acreditar que eram partes suas? Processaram antigas emoções e autoidentificações que pertencem a um tempo e a um lugar diferentes em sua jornada? Talvez pareça uma remoção interminável de camada após camada. Talvez estejam querendo saber se restará alguma coisa ou se vocês podem deixar de existir por completo.

Cada momento em que vivemos neste mundo, desde o momento de nosso nascimento, deixou impressões e camadas a partir dos feedbacks que recebemos e que moldaram a forma como nos vemos. O mundo em que vivemos foi muitas vezes indelicado quando ofereceu o seu reflexo, dando-nos uma imagem incompleta de nós mesmos, que não abrange nossa verdadeira beleza e que nos ensinou a frustrar nossos corações da verdadeira sabedoria. Nossa essência está além dessas identificações, está além dos reflexos que estão disponíveis no mundo, porque esses reflexos também vêm de outros que são feridos pelos reflexos que receberam.

Vivemos em ciclos após ciclos de ferimentos, carregando-os como um escudo, que somente prossegue com o ciclo que nos isola de nosso amor e de nossa sabedoria inatos. Vivemos separados de nosso cerne, separados da essência amorosa de que somos feitos. E, no entanto, todos nós procuramos por isso, muitas vezes nos lugares errados, no reflexo ferido que o mundo tem para nos oferecer.

Vocês, seu corpo, sua inocência, sua beleza e seu amor não tiverem um reflexo verdadeiro dados a eles pelos olhos distorcidos do mundo. Vocês não foram recebidos sem julgamento, não foram aceitos sem reserva e não foram celebrados devido a sua singularidade. Todos nós fomos injustamente recebidos por este mundo de um modo ou outro. Todos fomos desconectados de nós mesmos à medida que internalizamos esses reflexos como verdade.

Em uma tentativa de nos proteger da dor, ocultamos nossas feridas e só desejamos revelar as nossas partes que seriam aceitas. E, assim, o mundo está sofrendo sob a superfície, chorando internamente, enquanto revela outra coisa do lado de fora. Permitimos que o superficial se tornasse o reflexo e fechamos a porta de nossa autenticidade, e, finalmente, nos esquecemos de quem éramos.

E aqui permanecemos, desvendando nossa dor; nos despindo da vergonha, da culpa e dos julgamentos e deixando de lado as expectativas. Permitindo-nos sentir, lamentar as dores que sofremos, dando-nos espaço para respirar o amor que merecemos, a liberdade de sermos quem somos, de nos amar, de honrar nosso corpo, de abraçar esta vida.

À medida que deixamos que as camadas das falsas identificações desapareçam, também começamos a nos conectar novamente com a nossa essência – cada camada que removemos nos aproxima da nossa verdade e da nossa beleza inatas. Finalmente, nossa luz interior começa a brilhar, e, enquanto acolhemos o que resta de nós sob as inverdades, nossa luz se torna definida pela escuridão em que está, em vez de tornar-se sombria em si mesma. Ao deixar brilhar a nossa luz, podemos nos tornar o próprio reflexo da verdade que vai ajudar os demais a se reconectar à essência deles.

Vocês não precisam se tornar nada, porque vocês já são tudo o que precisam ser, conforme abrem mão daquilo que vocês não são. Soltem-se,  desvencilhem-se, liberem-se, e então, apenas brilhem! Vocês são belos!

Bênçãos,

Simon & Jennifer

Tradução de Ivete Brito – adavai@me.comwww.adavaiwordpress.com.